Avaliação de correlação entre superexplotação de aquífero cárstico e sismicidade na região do Alto Verde Grande

Visualizações: 201

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59824/rmrh.v5.280

Palavras-chave:

Superexplotação, Sismicidade, carsticidade

Resumo

Em bacias hidrográficas com disponibilidade hídrica limitada e com déficit hídrico, como é o caso da bacia do Alto Verde Grande, localizada em Minas Gerais, Brasil, a captação de água subterrânea por poços profundos torna-se fundamental para atender a demanda dos diversos usuários da bacia. A bacia é constituída predominantemente por rochas do Grupo Bambuí, onde se tem a ocorrência de aquíferos cársticos. De acordo com o levantamento realizado no Sistema de Informações de Águas Subterrâneas da Comapnhia de Pesquisa de Recursos Minerais (SIAGAS-CPRM), existem mais de 1.200 poços de bombeamento de água subterrânea na área. A captação de água subterrânea dessa densidade de poços pode levar ao rebaixamento do lençol freático, resultando na variação temporal e geográfica das poro-pressões nos aquíferos que podem induzir terremotos a poucos quilômetros de profundidade. Em uma análise realizada no Boletim do Catálogo Brasileiro (SISBRA), que fornece registros sísmicos em todo o Brasil, identificou-se que em um raio de 200 km da região de Montes Claros foram registrados 142 sismos entre 1931 a 2019, sendo 105 deles em um raio de 30 km de Montes Claros. A análise de dados climatológicos indica déficit hídrico na região. Promovendo a Agenda de Águas Subterrâneas da ONU para 2022 - Tornando o Invisível Visível - o presente estudo procurou entender; através da avaliação de locais de eventos sísmicos, de gráficos climatólogicos, de mapas geológicos; a relação, se houver, entre a atividade sísmica na bacia do Alto Verde Grande e a captação de água subterrânea por poços profundos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Magleau Martins, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Graduado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Engenheiro Hidrólogo na Klohn Crippen Berger (KCB).

Ana Katiuscia Pastana de Souza, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN)

Mestra em Geologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialista em Gestão de Recursos Hídricos em Bacias Hidrográficas pela Universidade de Taubaté (UNITAU). Graduada em Geologia pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Coordenadora de barragens na Companhia Siderúrgica Nacional (CSN).

Chris Strachotta, Klohn Crippen Berger (KCB)

Graduada em Geologia pela Queensland University of Technology (QUT). Vice-presidente de estratégia corporativa e desenvolvimento de negócio na Klohn Crippen Berger (KCB).

Felipe Abbas da Gama, Klohn Crippen Berger (KCB)

Mestre em Gestão de Riscos – Riscos, Água e Geotecnia pela École Nationale Supérieure de Géologie (ENSG). Graduado em Engenharia de Minas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Hidrogeólogo na Klohn Crippen Berger (KCB).

Flávia Braga Vieira, Klohn Crippen Berger (KCB)

Graduada em Geologia pelo Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH). Hidrogeóloga na Klohn Crippen Berger (KCB).

Flávio Pimenta de Figueiredo, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Doutor em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Mestre em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Graduado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Professor pesquisador efetivo na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Raphael Duarte Viola, Klohn Crippen Berger (KCB)

Especialista em Engenharia Geotécnica pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Graduado em Engenharia Civil pela Faculdade Kennedy. Engenheiro Geotécnico na Klohn Crippen Berger (KCB).

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). Plano de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Verde Grande. Brasília: ANA, 2016. Disponível em: https://www.gov.br/ana/pt-br/assuntos/gestao-das-aguas/planos-e-estudos-sobre-rec-hidricos/plano-de-recursos-hidricos-da-bacia-hidrografica-do-rio-verde-grande. Acesso em: 11 set. 2023.

ASSUMPÇÃO, M.S. et al. Terremotos no Brasil: preparando-se para eventos raros. Boletim SBGf, Rio de Janeiro, v. 96, p. 25-29, 2016. http://www.sbgf.org.br/home/images/Boletim_96-2016.pdf. Acesso em: 15 abr. 2024.

ASSUMPÇÃO, M.; YAMABE, T. H.; BARBOSA, J. R. Atividade sísmica na bacia do Paraná induzida pela perfuração de poços tubulares profundos. Revista Águas Subterrâneas, São Paulo, 2008. Disponível em: https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/view/23361. Acesso em: 23 jun. 2022.

BOLETIM SÍSMICO. São Paulo: Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo, 2022. Versão: v2022Jan27. Disponível em: https://moho.iag.usp.br/eq/bulletin/. Acesso em: 15 abr. 2024.

BOLETIM SÍSMICO DO NORTE DE MINAS. Montes Claros: Universidade Estadual de Montes Claros, ano 1, ago. 2022. Disponível em https://unimontes.br/wp-content/uploads/2022/09/Boletim-agosto-2022.pdf. Acesso em: 25 set. 2023.

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS (CODEMIG). Mapa geológico da Folha Botumirim SE-23-X-B-IV. Belo Horizonte, 2012. Mapa. Escala 1:100.000. Disponível em: http://www.portalgeologia.com.br/index.php/mapa/#downloads-tab. Acesso em: 15 abr. 2024.

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS (CODEMIG). Mapa geológico da Folha Capitão Enéas SE-23-X-A-III. Belo Horizonte, 2013a. Mapa. Escala 1:100.000. http://www.portalgeologia.com.br/index.php/mapa/#downloads-tab. Acesso em: 15 abr. 2024.

COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DE MINAS GERAIS (CODEMIG). Mapa geológico da Folha Coração de Jesus SE-23-X-A-V. Belo Horizonte, 2013b. Mapa. Escala 1:100.000. http://www.portalgeologia.com.br/index.php/mapa/#downloads-tab. Acesso em: 15 abr. 2024.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS (CPRM). Mapa geológico da Folha Montes Claros SE-23-X-A-VI. Brasília: CPRM: 2011. Mapa. Escala 1:100.000. Disponível em: https://rigeo.cprm.gov.br/bitstream/doc/18279/1/mapa_geologico_montes_claros.pdf. Acesso em: 15 abr. 2024.

COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS (CPRM). Sistema de Informações de Águas Subterrâneas (SIAGAS). Disponível em: https://siagasweb.sgb.gov.br/layout/. Acesso em: 11 set. 2023.

FETTER, C.W. Applied hydrogeology. London: Pearson, 2014.

FREEZE, R. A.; CHERRY, J. A. Groundwater. London: Pearson, 1979.

GALVÃO, P. H. F. Modelo hidrogeológico conceitual de Sete Lagoas (MG) e implicações associadas ao desenvolvimento urbano em regiões cársticas. 2015. 136 f. Tese (doutorado em Recursos Mineiros e Hidrogeologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44138/tde-22092015-151113/pt-br.php. Acesso em: 15 abr. 2024.

HALIHAN, T., SHARP JR., J.M., MACE, R.E. Flow in the San Antonio segment of the Edwards Aquifer: matrix, fractures, or conduits? In: Wicks, C.M., Sasowsky, I.D. (ed.). Groundwater flow and contaminant transport in carbonate aquifers. Rotterdam: Balkema, 2000. p. 129-146.

GURITA, R. A. Avaliação dos fatores condicionantes da favorabilidade hidrogeológica do sistema aquífero cárstico-fissural, região de Montes Claros, MG. 2020. 78 f. Monografia (Graduação em Engenharia Geológica) – Escola de Minas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico 2022. Rio de Janeiro: IBGE, 2022. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/montes-claros/panorama. Acesso em: 11 set. 2023.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (Brasil). Normais climatológicas 1991-2020. Brasília: INMET, 2022. Disponível em: https://portal.inmet.gov.br/normais. Acesso em: 11 set. 2023.

JAYARAMAN, K. S. Frequent earthquakes around Delhi linked to groundwater pumping. Nature India. New Delhi, may, 2021. Disponível em: https://www.nature.com/articles/nindia.2021.72. Acesso em: 15 abr. 2024

UNITED NATIONS. The United Nations World Water Development Report 2022: groundwater: making the invisible visible. Paris, Unesco, 2022. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000380721. Acesso em: 15 abr. 2024.

YAMABE, T. H.; BERROCAL, J. Podem os poços tubulares profundos provocar abalos sísmicos? Casos estudados no Brasil. Revista Águas Subterrâneas, São Paulo, 2000. [Anais]. Trabalho apresentado no 11° Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas, 2000, Ceará. Disponível em: https://aguassubterraneas.abas.org/asubterraneas/article/view/23772. Acesso em: 15 abr. 2024.

Downloads

Publicado

2024-04-19

Como Citar

MAGLEAU MARTINS, P.; KATIUSCIA PASTANA DE SOUZA, A.; STRACHOTTA, C.; ABBAS DA GAMA, F.; BRAGA VIEIRA, F.; PIMENTA DE FIGUEIREDO, F.; DUARTE VIOLA, R. Avaliação de correlação entre superexplotação de aquífero cárstico e sismicidade na região do Alto Verde Grande. Revista Mineira de Recursos Hídricos, Belo Horizonte, v. 5, p. e024004, 2024. DOI: 10.59824/rmrh.v5.280. Disponível em: https://periodicos.meioambiente.mg.gov.br/NM/article/view/280. Acesso em: 18 jun. 2024.