Histórico da qualidade da água na calha principal da bacia do rio Pomba, MG através do índice IQA-CCME

Visualizações: 108

Autores

DOI:

https://doi.org/10.59824/rmrh.v5.294

Palavras-chave:

Qualidade da água, Rio Pomba, Índice de Qualidade da Água

Resumo

O Brasil é rico em água doce, cerca de 12% da água do planeta, entretanto muitas das cidades brasileiras sofrem constantemente com problemas relacionados a quantidade e qualidade adequada desse recurso. O problema é mais evidente nos grandes centros urbanos, o que gerou a necessidade de um processo de gestão dos recursos hídricos brasileiros. Este trabalho apresenta o histórico da qualidade da água na calha principal da bacia do rio Pomba no estado de Minas Gerais, após a aplicação da metodologia de macrolocação em estações de monitoramento, utilizando como ferramenta de investigação o IQA-CCME, no período de 1998 a 2019. No modelo de cálculo do IQA-CCME, agregou-se os dados de monitoramento disponíveis de todos os parâmetros e estações selecionados para cada ano de medição, de modo que a análise fosse feita, não para a estação e datas específicas, mas para o rio todo e ano de referência. O formato de dados agregados por ano de monitoramento se comportou como um modelo de fácil maleabilidade por permitir calcular o IQA juntando todos os dados de um mesmo ano. Um número menor de estações baseada no modelo de macrolocação adotado permite uma boa avaliação da qualidade da água em termos de IQA. De modo geral a qualidade da água da bacia se manteve estável na série temporal, oscilando entre ruim e péssima, e o modelo de investigação proposto não demonstrou tendência significativa de piora ou melhora da qualidade da água ao longo do tempo estudado, do ponto de vista de IQA.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hernane Teixeira Da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Mestre em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Graduação em Ciências Biológicas pela Fundação Universidade de Itaúna (UIT). Técnico em química (CECON). Gerente Técnico do Laboratório Regional de Leopoldina (Copasa MG)

Friedrich Wilhelm Herms , Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Graduado em Engenharia Química pela UERJ (1983), possui mestrado em Química Analítica Inorgânica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC/RJ (1988) e doutorado em Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC/RJ (2001). Foi representante da UERJ no Comitê de Bacia Hidrográfica dos Rios Guandu, Guandu-Mirim e da Guarda (2004 ? 2008) onde foi Diretor Geral do Comitê por dois mandatos consecutivos (2005 - 2008), no Comitê de Integração do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP (2007-2011), no Comitê da Bacia Hidrográfica da Baía de Guanabara - CBHBG (2010 - 2010), e membro do Conselho de Administração da Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP (2008 - 2015), onde foi Presidente do Conselho (2011-2015). Foi membro da Câmara Técnica CTCOST do Conselho Nacional de Recursos Hídricos - CNRH (2015 - 2019) e vice presidente do Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Rio de Janeiro (2017 - 2021). É representante da UERJ na Associação Pró-Gestão das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - AGEVAP desde 2007, e no Conselho Estadual de Recursos Hídricos do Rio de Janeiro (CEHRI-RJ) desde 2004, tendo participado de diversas câmeras técnicas e grupos de trabalho, sendo hoje o coordenador da Câmara Técnica Institucional e Legal - CTIL (2021-atual) do CERHI-RJ. É Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, no Departamento de Oceanografia Química da Faculdade de Oceanografia, desde 1983 atuando nas disciplinas de Oceanografia Química, Introdução da Físico-Química de Sistemas Aquáticos e Análise Físico-Química em Oceanografia. É Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Rede Nacional do Mestrado Profissional em Gestão e Regulação de Recursos Hídricos - ProfÁgua, polo UERJ, desde 2016, sendo responsável pelas disciplinas de Instrumentos para a Gestão de Recursos Hídricos, Qualidade da Água em Rios e Reservatórios e Seminários I e II. Tem experiência na área de Química Analítica, com ênfase em Análise de Elementos Traço, Análise de Nutrientes e Química Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: Oceanografia, Meio Ambiente, Poluição, Nutrientes e Metais Pesados. Atua também na área de Recursos Hídricos, desde 2004, nos temas de Gestão e Regulação de Recursos Hídricos, Poluição Hídrica, Monitoramento Ambiental e Monitoramento em Tempo Real.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). Conjuntura de Recursos Hídricos no Brasil 2017: relatório pleno. Brasília: ANA, 2017. Disponível em:

https://www.snirh.gov.br/portal/snirh/centrais-de-conteudos/conjuntura-dos-recursos-hidricos/relatorio-conjuntura-2017.pdf/view Acesso em: 02 nov. 2020.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (Brasil). Elaboração de Estudos para concepção de um Sistema de Previsão de Eventos Críticos na Bacia do Rio Paraíba do Sul e de um Sistema de Intervenções Estruturais para Mitigação dos Efeitos de Cheias nas Bacias dos Rios Muriaé e Pomba e Investigações de Campo Correlatas: R31 Papel dos Afluentes nas Cheias e Pontos Críticos para o Siemec. Brasília: ANA, SUM/SPR, 2011. Disponível em: gripbsul.ana.gov.br/rels/R31.Papel dos afluentes e Pontos críticos SIEMEC.pdf. Acesso em: 18 out. 2022.

ALMEIDA, K. C. B. Avaliação da rede de monitoramento de qualidade das águas superficiais da bacia do rio das velhas utilizando o método da entropia. 2013. 98 f. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) – Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2013.

ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL – AGEVAP; COMITÊ PARA INTEGRAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL – CEIVAP; HOLOS ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA. Relatório consolidado de caracterização – Pomba p3: Diagnóstico Ambiental (caracterização): Avaliação Ambiental Integrada – AAI das bacias dos rios Muriaé, Pomba, Piabanha, Paraibuna e Preto, afluentes do rio Paraíba do Sul. 2013. Disponível em: http://sigaceivap.org.br:8080/publicacoesArquivos/arq_pubMidia_Processo_009-2011_P03.7-RCC-Pomba.pdf. Acesso em: 02 nov. 2023.

ASSOCIAÇÃO PRÓ-GESTÃO DAS ÁGUAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL - AGEVAP. Plano Integrado de Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - PIRH-PS e elaboração dos Planos de Recursos Hídricos das Bacias Hidrográficas Afluentes - diagnóstico e prognóstico da bacia hidrográfica dos afluentes mineiros dos rios Pomba e Muriaé. 2020. Disponível em: https://www.ceivap.org.br/conteudo/REL-Produto-C-versao-final-dez16.pdf. Acesso em: 02 nov. 2023.

BRASIL. Decreto nº 24.643, de 10 de julho de 1934. Decreta o Código das Águas. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D24643.htm. Acesso em: 17 nov. 2019.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/91972/constituicao-da-republica-federativa-do-brasil-1988#art-20--inc-III. Acesso em: 17 abr. 2020.

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm. Acesso em: 25 nov. 2019.

BRASIL. Lei nº 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9433.htm. Acesso em: 25 nov. 2019.

CANADIAN COUNCIL OF MINISTERS OF THE ENVIRONMENT. Canadian water quality guideline for protection of aquatic life: CCME water quality user's manual update 2017. Disponível em: https://ccme.ca/en/res/wqimanualen.pdf. Acesso em: 25 nov. 2019.

CANADIAN COUNCIL OF MINISTERS OF THE ENVIRONMENT. CCME Water Quality Index 1.0. Disponível em: https://unstats.un.org/unsd/envaccounting/ceea/archive/Water/CCME_Canada.PDF. Acesso em: 25 nov. 2019.

COMITÊ PARA INTEGRAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PARAÍBA DO SUL - CEIVAP. Plano de Recursos Hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul – Resumo - Caderno de Ações Bacia do Rio Pomba. Rio de Janeiro, 2006. Disponível em: https://www.ceivap.org.br/downloads/PSR-RE-012-R1.pdf. Acesso em: 21 nov. 2019.

COMPANHIA DE TECNOLOGIA DE SANEAMENTO AMBIENTAL - CETESB. Significado ambiental e sanitário das variáveis de qualidade das águas e dos sedimentos e metodologias analíticas e de amostragem. 2019. Disponível em: https://cetesb.sp.gov.br/aguas-interiores/wp-content/uploads/sites/12/2017/11/Ap%C3%AAndice-E-Significado-Ambiental-e-Sanit%C3%A1rio-das-Vari%C3%A1veis-de-Qualidade-2016.pdf. Acesso em: 21 nov. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE - CONAMA (Brasil). Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18/03/2005. Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=2747. Acesso em: 25 nov. 2019.

CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS – CNRH (Brasil). Ministério do desenvolvimento Regional. Resolução nº 12, de 19 de julho de 2000b. foi revogada pela resolução de n° 91, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2008. Estabelece procedimentos para o enquadramento de corpos de água em classes segundo os usos preponderantes. Disponível em: https://www.ceivap.org.br/ligislacao/Resolucoes-CNRH/Resolucao-CNRH%2091.pdf. Acesso em: 08 dez. 2019.

CUNHA, D. G.F.; CALIJURI, M. C. Análise probabilística de ocorrência de incompatibilidade da qualidade da água com o enquadramento legal de sistemas aquáticos – estudo de caso do rio Pariquera-Açu (SP). Revista de Engenharia Sanitária e Ambiental, São Carlos, v.15, n.4, p.337-346, dez. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/esa/a/VZN7PkDBp6JtjDx3cKQqx7H/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 25 nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-41522010000400006

FARAGE, J. de A. P. Influência do uso e da ocupação do solo na qualidade da água e capacidade autodepurativa do Rio Pomba. 2009. 110 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Agrícola) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2009. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/3546/1/texto%20completo.pdf. Acesso em: 21 nov. 2019.

GARCIA, E. N. dos A.; MORENO, D. A. A. C.; FERNANDES, A. L. V. A importância da preservação e conservação das águas superficiais e subterrâneas: um panorama sobre a escassez da água no Brasil. Environmental Forum of Alta Paulista, Tupã, v. 11, n. 6, p. 235-249, 2015. Disponível em: https://publicacoes.amigosdanatureza.org.br/index.php/forum_ambiental/article/view/1259/1279 Acesso em: 21 nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.17271/1980082711620151259

GOOGLE. Google Earth Website. Mapas da Bacia do Rio Pomba. 2020. Disponível em: http://earth.google.com/. Acesso em: 26 de ago. 2020.

GUEDES, H. A. S. et al. Application of multivariate statistical analysis in the study of water quality in the Pomba River (MG). Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.16, n. 5, p. 558-563, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-43662012000500012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbeaa/a/pYzDPFQQTmNyZbznJ7GFHKd/abstract/?lang=en#. Acesso em: 25 nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/S1415-43662012000500012

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico: Brasil. Rio de Janeiro, 2022. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/leopoldina/panorama. Acesso em: 21 de mar. 2024.

MINAS GERAIS. Decreto de n°44.290, de 03 de maio de 2006. Institui o Comitê da Bacia Hidrográfica dos Afluentes Mineiros dos Rios Pomba e Muriaé. Disponível em: https://www.almg.gov.br/legislacao-mineira/texto/DEC/44290/2006/?cons=1. Acesso em: 26 de ago. 2020.

MINAS GERAIS. Decreto de nº 45.565, de 22 de março de 2011. Aprova o Plano Estadual de Recursos Hídricos – PERH-MG. Disponível em: http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=16494. Acesso em: 26 de ago. 2020.

MINAS GERAIS. Decreto de Lei nº 12.584, de 17 de julho de 1997. Altera a denominação do Departamento de Recursos Hídricos do Estado de Minas Gerais - DRH-MG - para Instituto Mineiro de Gestão das Águas – IGAM -, dispõe sobre sua reorganização e dá outras providências. Disponível em: https://www.almg.gov.br/legislacao-mineira/texto/LEI/12584/1997/. Acesso em: 26 de ago. 2020.

MINAS GERAIS. Lei Estadual de n°13.199/1999 de 29 de janeiro de 1999. Dispõe sobre a Política Estadual de Recursos Hídricos e dá outras providências. Disponível em: https://www.almg.gov.br/legislacao-mineira/texto/LEI/13199/1999/?cons=1. Acesso em: 26 de ago. 2020.

RIO DE JANEIRO (Estado). Lei estadual de nº 3.239, de 02 de agosto de 1999. Institui a Política Estadual de Recursos Hídricos; cria o Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos; regulamenta a Constituição Estadual, em seu artigo 261, parágrafo 1º, inciso VII; e dá outras providências. Disponível em: http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/CONTLEI.NSF/b24a2da5a077847c032564f4005d4bf2/43fd110fc03f0e6c032567c30072625b. Acesso em: 26 de ago. 2020.

RIO DE JANEIRO (Estado). Lei estadual de nº 650 de 11 de janeiro de 1983. Dispõe sobre a política estadual de defesa e proteção das bacias fluviais e lacustres do rio de janeiro. Disponível em: https://comiteguandu.org.br/legislacoes/Leis/Lei%20Estadual%20650.pdf. Acesso em: 26 de ago. 2020.

RIO DE JANEIRO (Estado). Lei estadual de nº 5101 de 04 de outubro de 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Estadual do Ambiente – INEA e sobre outras providências para maior eficiência na execução das políticas estaduais de meio ambiente, de recursos hídricos e florestais. Posteriormente modificada pela Lei de nº 7511 de 10 de janeiro de 2017. Disponível em: http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/CONTLEI.NSF/e9589b9aabd9cac8032564fe0065abb4/674aaff783d4df6b8325736e005c4dab?OpenDocument. Acesso em: 26 de ago. 2020.

RUAS, A. L. Avaliação das alterações da qualidade de águas tropicais decorrentes da instalação de barramentos para fins de geração de energia elétrica – estudo de caso do Rio Pomba. 2006. 280 f. Dissertação (Mestrado em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos) – Escola de Engenharia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/ENGD-6SWRZM. Acesso em: 21 nov. 2019.

SANDERS, T. G. et al. Design of network for monitoring water quality. Highlands: Water Resources Publications, 1983.

SHARP, W. E. A topologically optimum water-sampling plan for rivers or streams. Water Resources Research, Malden, v. 7, n. 6, p. 1641-6, dec. 1971. DOI: DOI: https://doi.org/10.1029/WR007i006p01641

https://doi.org/10.1029/WR007i006p01641. Disponível em: https://agupubs.onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1029/WR007i006p01641. Acesso em: 19 nov. 2019.

SILVA, H. T da. Avaliação da evolução da qualidade da água superficial na bacia do Rio Pomba, MG, utilizando o índice IQA-CCME. 2021. 141 f. Dissertação (Mestrado em Rede Nacional de Gestão e Regulação de Recursos Hídricos) – Centro de Tecnologia e Ciências, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: https://www.bdtd.uerj.br:8443/handle/1/18738. Acesso em: 12 de jan. 2022.

SILVA, R. R. Bacia do rio Pomba (MG): uso e ocupação do solo e impactos ambientais nos recursos hídricos. 2014. 118 f. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universidade Federal de Goiás, 2014. Disponível em: https://repositorio.bc.ufg.br/tede/items/972f9993-fb40-4fc6-9ab8-3a78213b4aec/full. Acesso em: 21 nov. 2019.

SOARES, M. C. S.; HUSZAR, V. L. M.; ROLAND, F. Phytoplankton dynamics in two tropical rivers with different degrees of human impact (southeast Brazil). River Research and Applications, Germany, v. 23, n. 7, p. 698-714, sept. 2007. DOI: https://doi.org/10.1002/rra.987. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1002/rra.987. Acesso em: 19 nov. 2019. DOI: https://doi.org/10.1002/rra.987

VIEIRA, M. R.; GENERINO, A. P. M.; SILVEIRA, R. B. de O. da. Método de alocação de pontos para monitoramento da qualidade de águas superficiais utilizado na RNQA. In: SIMPÓSIO DE RECURSOS HÍDRICOS DO NORDESTE, 11., 2014, Natal. Anais eletrônicos [...]. Natal: ABRHIdro, 2014. Disponível em: https://anais.abrhidro.org.br/job.php?Job=7745. Acesso em: 19 nov. 2019.

WEINBERG, A. Uso de Índices de Qualidade de Água para a caracterização da Bacia Hidrográfica do rio Guandu. 2013. 166 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Engenharia Ambiental) – Escola Politécnica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://www.drhima.poli.ufrj.br/images/documentos/tcc/2013/agatha-weinberg-2013.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

Downloads

Publicado

2024-05-08

Como Citar

TEIXEIRA DA SILVA, H.; WILHELM HERMS , F. Histórico da qualidade da água na calha principal da bacia do rio Pomba, MG através do índice IQA-CCME. Revista Mineira de Recursos Hídricos, Belo Horizonte, v. 5, p. e024006, 2024. DOI: 10.59824/rmrh.v5.294. Disponível em: https://periodicos.meioambiente.mg.gov.br/NM/article/view/294. Acesso em: 18 jun. 2024.